Critica por favor o meu elevado ego

15/09/2021

lagartixa

poesia — João Oliveira @ 01:07

não importa
o quanto lutas
contra o abismo dentro de ti

vai sempre haver alguém
que vai dizer-te
que não é suficiente

não importa
quanto de ti tu dás
mesmo quando pouco sobra
dentro de ti

vai sempre haver alguém
que vai exigir-te mais
e mais
e mais
e mais

e quando não podes dar mais
ou servir-lhes mais
vão fazer-te sentir
menos

enfim

é como diz o outro
quem nasceu para lagartixa
não chega a jacaré 

08/09/2021

a aniquilação do ego

manifesto — João Oliveira @ 00:01

o pepê rapazote disse, há uns anos, em entrevista ao expresso, que “o ego para ser bem considerado, tem que ter por base uma auto-confiança saudável e uma generosidade natural, construído para bem do próximo”. acrescentou ainda que “um ego mal construído vai destruir-nos a nós e maltratar os outros”.

(ler mais…)

24/08/2021

um coração

poesia — João Oliveira @ 23:59

quem vive com o coração
morre pelo coração
e eu já nem sei

se
ainda
pode
chamar-se
a
isto

coração

quebraste-me
e deixaste-me aqui
partido
derrotado
sem propósito ou vontade
de continuar

aniquilei a alma
que coração já não é
a noite regressa
para tomar conta da minha mente
e engolir o pouco que resta

fico apenas

abandonado

segurando entre os dedos
os pedaços
do
que
outrora
foi

um coração

::  trinta de agosto de dois mil e vinte

(ler mais…)

21/08/2021

indiferença

manifesto — João Oliveira @ 03:53

imagina o que é ouvires um “eu sei, eu li o teu texto” quando dizes, de lágrimas a encher-te os olhos, à pessoa que mais amas e que mais te amou – quando dizes, na verdade, pela primeira vez, em voz alta – que alturas houve, depois da separação, em que ponderaste acabar com a própria vida.

eu sei, eu li o teu texto. continua a ecoar sempre na minha cabeça.

se tivesse realmente saltado daquele penhasco, a indiferença fria e cruel seria a mesma.

21/07/2021

enfim

música — João Oliveira @ 05:03

quando a vida se abrevia, há uma túnica à nossa porta
e a maratona finda, é a minha vida que o meu prazo aborta
não vou esperar o fim para te ouvir dizer que a minha voz importa
não há campa com jardim, dá-me em vida uma rosa morta

(ler mais…)

« página anteriorpróxima página »