Critica por favor o meu elevado ego

01/06/2011

rascunho (4)

prosa, rascunhos — João Oliveira @ 05:34

foi numa tarde de outono dourado que ele começou a deixar-se conhecer a confiar nela como nunca confiara em ninguém.

«alguma vez foste deixada sem razão nem explicação? alguma vez foste traída? tens a noção do que isso te faz? à tua confiança e à tua auto-estima?», perguntou ele. «ficas para sempre a pensar no que fizeste de errado, no que não fizeste, no que podias ter feito. ficas para sempre na dúvida, sem conseguir encerrar um ciclo que até podia ter tido tudo para dar certo».

«realmente nunca tinha visto a coisa dessa perspectiva», respondeu com a voz a fraquejar.

«no fundo, ficas a pensar no pedaço de merda que és e ficas sem saber o que fizeste para merecer isso. ao fim de não sei quanto tempo a partilhar toda uma vida com alguém ela decide abandonar-te sem deixar recado. simplesmente deixa de ligar, de querer estar contigo. e tu não fazes ideia do que isso te faz. abala toda a estrutura do teu ser e ficas sem certeza de nada».


anterior: efémera lucidez | seguinte: rascunho (6)

Leave a Reply