Critica por favor o meu elevado ego

04/02/2013

diz que é uma espécie de manifesto (1)

ilustrações, manifesto, prosa — João Oliveira @ 00:42

irritam-me as pessoas.

as que param no meio do caminho quando estou com pressa. aquelas que falam alto no metro, no comboio ou no autocarro. especialmente se estiverem a falar ao telemóvel. e as que ouvem música no altifalante do telemóvel, como se fossem uma discoteca ambulante?

pessoas que usam pontos finais nos títulos do quer que seja. e as que diariamente dão pontapés na língua portuguesa. essas especialmente. que parecem ter um saco cheio de vírgulas e as põem em tudo quanto é sítio excepto no lugar devido. que separam o sujeito do predicado sem o complemento. as que conjugam verbos reflexivos com a partícula “-se” antes da forma verbal.

as que teimam em falar em todas as ocasiões. mesmo quando tudo o que queremos é escutar o silêncio. as que falam porque gostam de ouvir-se falar. e as que falam apenas porque querem ter razão, a qualquer custo.

irritam-me os pretensos elevados egos. e os pretensiosos. os que se acham muito cheios de si. os que não aceitam um reparo que seja. porque os elevados egos não estão, não podem estar, acima da crítica.

as pessoas que abandonam, sem explicação. que assumem responsabilidades sem terem o mínimo de noção no que estão a meter-se. as que magoam, mesmo sem intenção. que não olham além do seu jardim.

irritam-me os sorrisos amarelos. a hipocrisia. principalmente a hipócrita hipocrisia. dos que se mostram muito incomodados com a falsidade dos que os rodeiam mas são os primeiros a espetar uma faca nas costas se for preciso.

as que julgam sem conhecimento de causa. as cobardes. as que olham de lado ou por cima do ombro.

e o cinismo das pessoas. porque há muitas formas de ser cínico. eu próprio sou cínico, na medida em que mando o politicamente correcto à merda se isso significar que continuo verdadeiro comigo próprio e com aqueles que me rodeiam e me são chegados.

if your life had a face i would punch it


anterior: apontamento (2) | seguinte: o que poderias ter sido?

11 comentários to “diz que é uma espécie de manifesto (1)”

  1. Adriana Says:

    fodasse…. a serio

  2. Paula Soares Says:

    “fodasse…. a serio”

    Inteiramente de acordo!

  3. Maria da Felicidade Says:

    “pessoas que usam pontos finais nos títulos do quer que seja. e as que diariamente dão pontapés na língua portuguesa. essas especialmente. que parecem ter um saco cheio de vírgulas e as põem em tudo quanto é sítio excepto no lugar devido. que separam o sujeito do predicado sem o complemento. as que conjugam verbos reflexivos com a partícula “-se” antes da forma verbal.”

    Sim, lamento. Tenho um problema.

  4. João Oliveira Says:

    eu também lamento, mas pode sempre ler e escrever mais, que a coisa vai ao sítio.

  5. Maria da Felicidade Says:

    Já agora…é foda-se e não fodasse. Pode dizer aos seus amigos comentadores 🙂

  6. João Oliveira Says:

    isso já seria dar atenção a gente que não vem acrescentar nada ao mundo 😉

  7. Maria da Felicidade Says:

    espero que não se esteja a referir a mim, senão vou chorar!

  8. João Oliveira Says:

    claro que não; a minha noção de não dar atenção a quem não acrescenta nada ao mundo passa muito por ignorar o que têm a dizer, ainda para mais quando se exprimem unicamente através de palavrões.

  9. Maria da Felicidade Says:

    Nem toda a gente tem o dom da palavra e às vezes um foda-se diz tanto… 🙂

  10. João Oliveira Says:

    gostava de poder dizer que esta era uma dessas situações, mas estaria a mentir.

  11. diz que é uma espécie de manifesto (2) | Critica por favor o meu elevado ego Says:

    […] e palavras, é algo que já faz parte de mim. não é defeito, é feitio. já aqui foi afirmado que os elevados egos não estão, não podem estar, acima da crítica. só não percebe quem não […]

Leave a Reply